Casa do Apostador Carregando...
Sinal de alerta na seleção americana?
dom 18 jul/21

Sinal de alerta na seleção americana?


Depois dos dois primeiros jogos de exibição da Seleção americana masculina a caminho das Olimpíadas de Tóquio, uma coisa é extremamente clara: ganhar a medalha de ouro não será tarefa fácil.

Duas noites depois de uma derrota por 90-87 para a Nigéria, os EUA perderam para a Austrália por 91-83 no Michelob ULTRA Arena em Mandalay Bay em Las Vegas.

Embora qualquer derrota nos Estados Unidos nas últimas duas décadas possa ser descrita como impressionante – a equipe é incrível, 54-4 em exposições desde 1992 – essas duas últimas são as evidências mais recentes de que o mundo está diminuindo rapidamente essa distância.

Com escalações de equipes nacionais opostas agora mais intensas do que nunca com talentos da NBA, cada jogo é um desafio nesta nova era internacional. No raking mundial adotado pela FIBA (Federação Internacional de Basquete), a Austrália encontra-se na terceira posição.

O imenso desafio dessa jornada para ganhar a quarta medalha de ouro consecutiva está rapidamente se tornando claro para Damian Lillard, o armador do Portland Trail Blazers que está jogando em sua primeira equipe olímpica dos Estados Unidos.

“Essas equipes (internacionais) são experientes e ainda estamos trabalhando para nos tornarmos uma equipe”, disse Lillard.  “Não vamos apenas lançar a bola e vencer essas equipes … essas equipes têm cinco jogadores iniciais da NBA agora.”

O jogo contra a Austrália

No início contra a Austrália, parecia que Lillard levaria seus companheiros à vitória.  Lillard marcou 11 pontos no primeiro quarto e no intervalo os EUA lideravam por 46-37.

Lillard acertou seis bolas de 3 pontos e terminou com 22 pontos, a melhor marca da equipe.  Kevin Durant terminou com 17 pontos, enquanto Bradley Beal adicionou 12 pontos.

Um segundo quarto forte dos EUA nos dois lados da quadra, especialmente defensivamente, é algo que a equipe e os treinadores podem construir para os jogos de exibição restantes e a estreia olímpica em 25 de julho contra a forte seleção da França.  Os EUA seguraram a Austrália com nove pontos nos primeiros oito minutos do segundo quarto e um total de 13.

Outro ponto positivo durante o segundo quarto foi um melhor esforçonos rebotes dos EUA.  Os americanos pegaram 15 rebotes no primeiro tempo contra a Austrália.  No entanto, os australianos dominariam o segundo tempo e terminaram o jogo com uma vantagem de 32-25 nos rebotes.

“Acho que defensivamente fomos atrás disso”, disse Beal.  “Estávamos muito mais presos e enérgicos na ponta defensiva e, ofensivamente, estávamos apenas fluindo.  Foi um movimento de bola muito bom, consegui alguns bons arremessos.  Alguns deles não caíram no início, mas jogamos muito bem.  Na segunda metade, foi uma história totalmente diferente.  Nós meio que nos cansamos, ficamos preguiçosos na defesa, e foi aí que a Austrália nos machucou”.

A Austrália foi liderada por Patty Mills, o armador do San Antonio Spurs e do técnico dos EUA Gregg Popovich.  Mills terminou com 22 pontos e foi ajudado por Joe Ingles, o ala do Utah Jazz que terminou com 17 pontos, incluindo três bolas de 3 pontos consecutivos no primeiro quarto para manter seu time próximo.

Entrando no jogo, os EUA detinham uma vantagem de 5-1 sobre a Austrália em jogos de exibição, mas a única derrota veio recentemente.  A Austrália derrotou os americanos por 98-94 em 2019 em uma partida disputada em Melbourne antes da Copa do Mundo da Fiba daquele ano.  Os australianos estão com 0v-8d contra os EUA nas Olimpíadas.

A diminuição de abismo entre as demais seleções na competição, mais uma vez, foi um ponto de destaque para Popovich, que disse que acreditar que os EUA sempre venceram todos os times por uma grande margem na última década é um erro de pensamento.

“Tivemos jogos disputados contra quatro ou cinco times internacionais, e os bons times não tomaram blowout (termo utilizado quando há uma margem de vitória muito grande)”, disse Popovich.

Segundo tempo da partida

Contra a Austrália, os EUA não conseguiu manter o ímpeto durante o segundo tempo.  A equipe voltou devagar, e quando o australiano Duop Reath acertou uma cesta de 3 pontos faltando 2:29 para o final do terceiro quarto, o jogo estava empatado em 60.

Em seguida, Ingles acertou dois lances livres a 1:07 do fim no terceiro para dar aos australianos a liderança pela primeira vez desde a metade do primeiro quarto.  Chris Goulding então acertou uma bola de 3 pontos no estouro do cronômetro para dar à sua equipe uma vantagem de 69-64 no período final.

Os EUA novamente se recuperaram tarde – como também fizeram contra a Nigéria – e a segunda cesta de 3 pontos consecutiva de Durant diminuiu a dierença para 80-79 com 5:23 para jogar.  Logo depois, Draymond Green fez um lance livre para empatar o jogo em 80.

Jayson Tatum chegou a virar o jogo  em 82-80, mas Mills acertou dois lances livres para empatar o jogo em 82 com 4:13 do fim.  Mills então fez uma bandeja com 3:42 do fim para dar à Austrália a liderança para nunca mais perder a liderança.

Os EUA jogaram novamente sem Devin Booker, Khris Middleton e Jrue Holiday, que estão jogando as finais da NBA e devem se juntar à equipe para as Olimpíadas.

O que deu pra perceber nesses dois amistosos contra Nigéria e Austrália foi a ampla dependência de Kevin Durant e Damian Lillard, além da falta de força nos rebotes. Em ambos os jogos, a seleção americana perdeu nos rebotes, sendo que em seu elenco não conta com um pivô de origem e isso pode ser um problema em jogos decisivos. Agora é esperar de Greg Popovich consiga fazer ajustes para que a seleção entre nos trilhos nos jogos que realmente valem.

Apostador iniciante? Comece a estudar agora

Inscreva-se na minha lista VIP para receber conteúdos de apostas profissionais exclusivos. 

Deixe seu comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

News.
vip

Inscreva-se gratuitamente e receba conteúdo profissional e esclusivo por e-mail!