Casa do Apostador Carregando...
A Fênix, José Aldo
ter 10 ago/21

A Fênix, José Aldo


Antes de falar sobre a vitória da lenda José Aldo, permita-me dois dedos de prosa para reclamar um pouco, uma vez que, se os atletas brasileiros são brilhantes em suas lutas, alçando voos cada vez mais altos, conquistando seu espaço no evento e angariando fãs, quando abrem a boca, “p-e-l-o-a-m-o-r-d-e-D-e-u-s”

Na noite da entrevista pós luta, ainda dentro do octógono, Cormier pergunta sobre a vitória, como Aldo se sentia, que vociferou: feliz para Cara…! Pra mim, acabou ali. Deletei da minha memória, mudei de canal e esperei a próxima luta. Esse atletas se acham acima do bem e do mal, não se preocupam em aprender a língua do país nativo, e Aldo luta nos EUA há mais de 10 anos (uma completa ignorância) e quando dão entrevista não pensam nas pessoas que estão acordadas até aquela hora, muitas das vezes crianças num final de semana, curtindo com seus pais um grande evento com seu ídolo, o que realmente isso representa e poderá afetar na vida dessas crianças.

Ídolos de infância

Lembro muito bem, muitas das vezes assistia ao lado do meu pai as lutas do Tyson e as corridas aos domingos do polêmico Nelson Piquet. Eles falavam besteiras? Falavam, mas nunca após suas vitórias, pois esse era um momento de consagração. O que eles diziam no trash talk (coisa que Aldo nunca se meteu), eram, noticias de dia de semana, era criança, não acompanhava. Eram outros tempos…Enfim.

A luta, Pedro Munhoz

Vamos ao que interessa. José Aldo enfrentou Pedro Munhoz, um aspirante a Top 5 do peso mosca, cheio de gás, respeitoso, porém certo que iria “abafar” e derrotar um ídolo “cansado”, sem a mesma vontade de outrora, quando campeão dos penas.

Não vi deste jeito, escrevi na pick, que irei por no final do texto. Via Aldo, com mais recursos, mais pesado (fisicamente) e técnico que Munhoz. Sabia que o seu boxe, hoje repaginado, faria toda a diferença na luta, como de fato fez.

Aldo confiante

Nas entrevistas pré-luta, já deletado, cortando peso, notava um Aldo diferente, já pensando no título, certo de que tinha se acostumado com o peso e que o adversário de sábado (sem arrogância) seria apenas mais um degrau para se chegar a disputa de cinturão. Ali, o buraco será mais embaixo, meu amigo. Do Top 5 para frente só tem pedreira brabíssima: Rob Font, Cory Sandhagem, TJ Dilashaw , Petr Yan e Aljamain Sterling, todos super embaçados. Cory, Tj (luta que pediu) e Yan (para quem perdeu) são os mais perigosos, no meu modo de ver.

I de luta

É o que eu falo, e acabei de colocar isso, depois deste evento na minha fairline, para o atleta é importante ter Q.I de luta diante de adversários importantes, nisso José Aldo sobrou e Pedro Munoz faltou.

Aldo com a experiência de ter sido campeão durante muito tempo e por já ter passado por todo tipo de teste, conhece seu corpo, sua técnica e suas limitações.

Tirando sua técnica que evoluiu absurdamente (parabéns a Marinha do Brasil), Aldo conhece seu físico, sabe que se acelerar o tempo todo como fazia em tempos áureos, não vai ter “gasolina” para acabar a luta em alta performance.

Sendo assim, fez uma luta com inteligência. Note, Aldo sempre começava o round “cadenciado”, jogando mais na distância, explorando os jabs e da metade para o final, “apertava” o ritmo, mostrava para os juízes laterais que o round era dele. E fez isso os três rounds.

Apenas o plano A

Pedrinho entrou para “abafar” o Aldo, certamente uma estratégia um tanto equivocada, na medida que não tinha plano B ou C. Todo atleta de alta performance e com Q.I alto de luta possui essa capacidade. Certamente, seus treinadores sabendo que Aldo não tinha gás para os 3 rounds, apostaram tudo no volume (superior) de Munoz para ir minando as energias de José Aldo, round a round. E o que aconteceu foi justamente o contrario, Aldo, visivelmente mais técnico e mais forte, colocava ganchos e diretos na linha de cintura de Pedro, que acabaram contando a seu favor no ultimo round, visivelmente mais inteiro que seu adversário.

Repaginado José Aldo

José Aldo é um outro atleta. Saiu de um thai agressivo, com muitos chutes e cheio de cruzados (o que o fez ser nocauteado por Macgregor) para um “floretista”, um espadachim, tamanho tem sido o domínio o uso que faz de seus jabs, anteriormente inexistentes. Deu gosto de ver José Aldo boxeando em um evento de MMA, sem esquecer de seus chutes, hoje menos frequentes, porém, com o mesmo poder de impacto.

Esse Aldo repaginado, certamente, faria uma apresentação muito melhor diante do Macgregor. Mas, o tempo nunca volta atrás, infelizmente. Quando ao Pedro, mostrou ser “brabo” e um atleta valente, mas sua equipe pecou. Foram com tudo numa única estratégia e sucumbiram. Esse é um dos grandes problemas dos treinadores brasileiros, o ego. Será um tema para um próximo texto. Vamos a Pick?

Evento: UFC: 265

Card Principal: José Aldo x Pedro Munhoz

Data/Hora: 8/8 às 1:00

Aposta: José Aldo

Odds: @1.854

Bookie: Pinnacle

Odds mínimas: @1.75

Unidade: 1

Categoria: (peso – galo)

Favoritismo: 57%(1.75)

Pick

Co main event. Bom, é o Aldo. Simples assim. São dois strikers completos, Aldo e Munhoz buscam a luta  tempo todo, ambos vem de vitoria depois de encarar uma sequência negativa. Aldo vem de importante vitória diante de Marlon Vera, depois de encarar uma sequência de três derrotas consecutivas: Alexander Volkanovski, Marlon Moraes e Peter Yan, nada mais nada menos que duas lutas com Top 1 de suas divisões e um futuro desafiante ao título. Por isso, não podemos dizer que Aldo está numa descendente, pois só pegou pedreira brabíssima. Munhoz não fica para traz, venceu em sua ultima luta Jimmie Rivera, interrompendo uma sequência de duas derrotas para Frankie Edgar e Aljmain Sterling, atual campeão da categoria.

Munhoz tem volume a seu favor, acelera bastante os 2 primeiros rounds, assim como José Aldo. Entretanto, Peter Yan tem mais volume que Munhoz e fez luta acirrada com Aldo os 3 primeiros rounds. Fosse a luta de 3, não de 5Rs, talvez o resultado seria diferente, pois houve alternância de domínio nos rounds. Yan sentiu muito os chutes e os golpes na linha de cintura, de seu lado, os diretos incomodaram bastante José Aldo. Como disse, foi uma luta, até o final do 3R, bastante acirrada.

Aldo tem a seu favor o peso de seus golpes e sua envergadura, Munhoz tem o volume. Vai ser uma luta disputada, mas creio numa vantagem para Aldo nos 2Rs e uma luta bastante parelha no 3R.

Dou vantagem para o Aldo e uma vitória por pontos. E terminamos assim o final de semana.

Fique por dentro das apostas esportivas

Gostou das dicas de hoje? Então, inscreva-se na minha lista VIP para receber conteúdos de apostas profissionais exclusivos. 

Deixe seu comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

News.
vip

Inscreva-se gratuitamente e receba conteúdo profissional e esclusivo por e-mail!